Doublecast 47 - Long Live Rock 'n' Roll (Rainbow)

doublecast podcast rainbow Long Live Rock 'n' Roll classic album review

Mais um review de álbum no Doublecast e desta vez Danilo de Almeida (@22daniloalmeida) e Leozão Nocete (@leonocete) comentam um dos maiores clássicos do Rock/Metal, o Long Live Rock 'n' Roll do Rainbow.

Seja um padrinho ou madrinha do Doublecast e aproveite as exclusividades.
Para saber mais sobre os planos e metas
PADRIM.COM.BR/DOUBLECAST

Avalie o Doublecast na iTunes Store e não deixe de participar através do email doublecastpodcast@gmail.com ou pelas redes sociais


Duração 01:10:38
118 MB
Basta abrir o link e clicar com o botão direito e "Salvar como"

2 comentários:

  1. Tô atrasado nos comentários, mas vamos lá. O que é esse álbum? Excelente, com atuação magistral do Dio e BlackMore mandando ver com tudo. Já tinha esquecido desse álbum, obrigado por trazerem boas lembranças de volta a minha já caquética memória.
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Seguindo, tal como o nobre Roger acima, atrasado nos comentários, este nem phodendo eu deixaria de comentar. Sou declaradamente uma tiete de Ritche "Menino Veneno" Blackmore, apesar de ele ter um gênio e um ego do cão, e Rainbow, depois do Purple, foi pra mim sua melhor empreitada.

    A banda era tão boa (aliás, é, porque eles a desenterraram recentemente pra uma série de concertos) que independente do mano no vocal, pouco importava. Fosse Dio, Joe Lynn Turner, Grahan Bonnet, tudo ficava ótimo de se ouvir. A única questão é que, apesar de este último álbum com o Dio ser excelente, não o considero o melhor. Rising, que tem o hino maravilhoso (uma música arrasadora de power metal) Stargazer e é de arrepiar os cabelos do estômago. Gates of Babylon é fantástica, mas como peça acho a primeira melhor. Ambas têm esse "quê" de música oriental, mas Stargazer veio primeiro e me explodiu mos miolos.

    E sobre o chute na bunda do Dio, ele tinha um ego igual ou maior do que Blackmore e isso saltava aos ôio em cada projeto que esteve (inclusive em sua banda homônima, ele chegou a demitir um guitarrista uma vez que estava, com seus solos, chamando mais atenção do público do que Dio em si). Aquele nanico podia cantar pra cacete (até o vi ao vivo com o Sabbath, no início dos 90) mas era folgadod emais.

    Abração e obrigado por me relembrarem o Rainbow. 8)

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.