Doublecast 50 - Queen

doublecast podcast queen freddie mercury brian may roger taylor john deacon

Finalmente o Doublecast Podcast chega a marca de 50 episódios, e pra comemorar esse marco, nada mais justo que Danilo de Almeida (@22daniloalmeida) e Leozão Nocete (@leonocete) falarem de uma das maiores bandas de todos os tempos, o Queen.

Seja um padrinho ou madrinha do Doublecast e aproveite as exclusividades.
Para saber mais sobre os planos e metas
PADRIM.COM.BR/DOUBLECAST

Avalie o Doublecast na iTunes Store e não deixe de participar através do email doublecastpodcast@gmail.com ou pelas redes sociais


Duração 02:16:06
95 MB
Basta abrir o link e clicar com o botão direito e "Salvar como"

 Vote no Doublecast na Copa Monge de podcasts


3 comentários:

  1. Falaê galera. Episódio Real mesmo. Queen é uma banda foda e vi tanto com Fred Mercury, como com Paul Rogers e ambos foram showzaços, com suas devidas proporções.
    Aguardo ansiosamente o filme.
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Longa vida aos Rainha, mesmo que depois de tanto tempo.
    Queen foi uma das bandas mais marcantes de todos os tempos, e morrerei sendo fã. Mesmo depois da passagem de seu genial e desregrado cantor, suas músicas sobrevivem em plena glória e nunca deixarão de ser assim. E ainda que Mercury tenha subido pra penthouse do além, a banda continua celebrando e revivendo (afinal, as contas não param de chegar pros vivos) muito bem o legado. Sem piada, acho que Adam Lambert canta pra cacete e, jamais sendo Freddy Mercury, mantém a bola de seu legado viva.

    Parabéns pelo episódio foda.

    ResponderExcluir
  3. Grandes Faustão e Faustinho, obrigado por este episódio de uma banda que amo desde os meus,... o que? 11 anos !

    Quando fiz 11 anos ganhei do meu pai "Jazz" do Queen. Eu gosto dele.

    Vamos a um momento 'rainha de monóculo' :
    - o disco branco é 'A night in the Opera' e o preto 'A day at the races' , dois títulos de filmes dos irmãos Marx. Para decorar os nomes: o de capa branca onde está 'Bohemian Rhapsody' leva a noite no título, e o preto o dia.

    - A música que mais gosto do 'A night in the Opera' é a que abre o album e se chama 'Death on two legs' onde insulta, xinga e acaba com a raça do antigo representante do Freddy que parece que passou a perna nele legal.

    - A que abre o disco Jazz é 'Mustapha' e Freddy canta em parsi. Ele nasceu no Zanzíbar porque o pai trabalhava para a coroa britânica mas a família não é africana e sim de origem indiana porém de zoroastrianos, que cultuam Zoroastro ou Zarathustra, a primeira religião monoteísta e que perdura até hoje entre pakistaneses e indianos. Nietsche vai se inspirar nele para escrever 'Assim Falou Zarathustra que com certeza Faustinho leu de cabo a rabo.

    - eu era um jovem idiota (agora envelheci), e odiei o disco 'The game' porque sentia que Queen tinha se rendido ao pop. Muito tempo depois voltei a ouvir o álbum e tive que admitir que era genial. Eu como outros jovens criticamos na época a Queen por isso e hoje me arrependo dessa reação imbecil, mas nunca jamais tive traços homofóbicos como outros conhecidos tiveram. Freddy sofreu muito por isso.

    O episódio ficou sensacional e se escrevo isto é porque me sinto na obrigação de render uma homenagem a uma banda que por bairrismos musicais idiotas eu defenestrei por muito tempo e precisava exorcizar esses demônios.

    Obrigado por isso e obrigado pelo belo episódio !

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.