Doublecast 61 - Bohemian Rhapsody

doublecast podcast bohemian rhapsody filme queen freddie mercury

Doublecast 61 no ar, e nesta semana Danilo de Almeida (@22daniloalmeida) e Leozão Nocete (@leonocete) comentam os erros e acertos do filme Bohemian Rhapsody, cinebiografia de Freddie Mercury.


Duração 01:24:44
DOWNLOAD 60 MB
Basta abrir o link e clicar com o botão direito e "Salvar como"

Seja um apoiador do Doublecast e aproveite as exclusividades.
Para saber mais sobre os planos e metas: PADRIM.COM.BR/DOUBLECAST
Ajude o Doublecast também pelo PicPay: PICPAY.ME/DOUBLECAST

Avalie o Doublecast na iTunes Store e no Spotify e não deixe de participar através do email doublecastpodcast@gmail.com ou pelas redes sociais
Facebook | Twitter | Instagram

3 comentários:

  1. Queria começar este comentário comentando que não tenho tido muito tempo em comentar, então espero que perdoem este comentário inicial babaca, e podem comentá-lo se quiserem.
    Agora, sobre o episódio (e o filme a respeito do qual trata): apesar de ser um fudido e estar este fim de ano sem ter como ir no cinema assistir, esse é um que queria ter tido a chance. Acho que vou esperar chegar no StremioFlix. E o episódio de vocês me deixou com mais vontade ainda (mesmo que o filme não conte com essas deliciosas piadas de quarta série).
    Mas falando sobre biografias cinematográficas, até espero que elas nunca sejam completamente fidedignas às vidas que retratam. Pra isso existem documentários. No cinema, sempre é necessário "mexer" na história pra aumentar o impacto dramático. Por causa disso, já esperava que o filme não tivesse tanta pegada assim na verdade. Até porque, se fosse assim seriam várias e várias horas de cheiração de Brizola, lambeção de bigodes e orgias louquérrimas.
    É só ver que Amadeus tem um final completamente diferente, sem toda a pompa dramática dada aos personagens (e na vida real Mozart sequer tinha aquela risada esquisita). A Rosa também é só levemente baseada em Janis Joplin, mas é aquilo: os filmes têm que vender, e esse tipo de liberdade poética deve ser perdoada.
    Só não sei quanto à comparação entre Sacha Baron Cohen e Ramy Malek. Terei que ver o filme primeiro pra imaginar com ficaria com o que perdeu o papel.
    No mais, continuo eternamente fã de vocês, mesmo que não pare sempre pra comentar. Abração. 8)

    ResponderExcluir
  2. Olá, pessoal!

    Parabéns pelo programa, pelas críticas e pela trilha sonora!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.